Herpes-zóster pode ser prevenida com vacina

Apesar de não ser tão conhecida, o herpes-zóster é uma doença bem comum e atinge pessoas que tiveram catapora no passado. Também chamada de cobreiro ou cobrão, é uma espécie de reativação do vírus da varicela que fica adormecido no corpo de quem já teve a doença em alguma fase da vida. Com o passar dos anos, o sistema imunológico fica mais enfraquecido, e isso pode desencadear o problema.

A doença causa lesões cutâneas que podem parecer faixas de bolhas em partes específicas do corpo, como cabeça, costas, sempre da cintura para cima.

O herpes-zóster pode ser grave. Às vezes, a nevralgia ocasionada pode ser intensa e durar meses ou anos. Em algumas pessoas, pode interferir nas atividades diárias normais, como caminhar e dormir, e nas atividades sociais. A dor também pode causar distúrbios emocionais.

Além de dor intensa, as pessoas com a doença podem apresentar outras complicações, como:

  • cicatrizes,
  • infecções bacterianas na pele,
  • fraqueza,
  • paralisia muscular,
  • perda da audição ou da visão.

O herpes-zóster pode levar à hospitalização e em casos raros até a morte.

Além de baixa imunidade, outros fatores podem desencadear o problema como má alimentação, falta de sono, infecções e estresse intenso.

É preciso atenção, pois pessoas com herpes zoster são transmissoras do vírus da varicela. Por isso, quem não teve catapora precisa evitar o contato com doentes. Em caso de suspeita, é preciso buscar ajuda e orientações em um serviço de saúde.

Uma das melhores formas de prevenir o problema é através da vacinação. A vacina tem eficiência e segurança comprovadas.

Na Unimed São José do Rio Preto ela está disponível na Unidade de Vacinação. Pessoas com mais de 50 anos podem ser vacinadas. As únicas restrições são que portadores da doença não podem ter registrado manifestações nos últimos seis meses, portadores de problemas graves como câncer e pessoas com algum tipo de imunodeficiência.