Medicina já consegue reverter um quadro de AVC

Seja por falta de conhecimento ou mesmo pelo histórico de casos próximos, muitos interpretam o Acidente Vascular Cerebral – AVC como um problema irreversível, muitas vezes até mortal. E há motivos para se pensar assim.

No Brasil, são registradas aproximadamente 68 mil mortes em decorrência do problema todos os anos, segundo a Organização Mundial da Saúde – OMS. Por isso, o AVC representa a primeira causa de morte e incapacidade no País, o que gera grande impacto econômico e social.

Popularmente conhecido como derrame cerebral, o problema é o resultado da interrupção do suprimento de sangue no cérebro devido à obstrução (isquêmico) ou rompimento de uma artéria (hemorrágico).

Nos dois casos, os pacientes irão apresentar sinais e sintomas como alterações na força muscular em um dos lados do corpo, a dificuldade na fala, assimetria do sorriso, alterações no equilíbrio e na visão, entre outros. Por isso, aos primeiros sintomas, é preciso buscar imediatamente ajuda médica. Se tratado rapidamente, será possível reverter a situação.

Em alguns hospitais e pronto atendimentos do país, como no Complexo de Saúde Unimed, em Rio Preto, está disponível um procedimento chamado Trombólise. Nele, o paciente recebe substâncias chamadas fibrinolíticas ou trombolíticas que, em muitos casos, têm a capacidade de dissolver o coágulo que estava impedindo a passagem do sangue pela artéria e recanalizar este vaso.

Mas é preciso ser rápido. O prazo máximo para administração do medicamento é de três horas após o início dos sintomas. Assim que o paciente chega ao Pronto Atendimento da Unimed, tem uma equipe de neurologistas especializada neste procedimento que é acionada e o paciente passa por exames laboratoriais, tomografia, avaliações neurológicas, entre outros; recebe a infusão do trombolítico e é transferido para um hospital.

Porém, isso só é feito em último caso. Para evitar o problema e reduzir as possibilidades de um AVC, várias medidas podem ser tomadas como mudanças no estilo de vida. Ter alimentação saudável, praticar atividade física regular, evitar o consumo de bebidas alcoólicas, não fumar, manter a pressão arterial controlada, assim como o diabetes, colesterol e triglicérides, é fundamental não apenas para prevenir um AVC, mas para ter qualidade de vida.

Por isso, não espere o pior. Tenha uma vida mais saudável e lembre-se: não deixe para buscar um médico apenas em casos de doença. A prevenção ainda é a melhor forma de se garantir saúde e bem-estar.