Quando as pessoas pensam nas consequências do tabagismo para a saúde, doenças como câncer de pulmão, enfisema e bronquite crônica, geralmente são as primeiras a serem lembradas. E faz todo sentido, já que os pulmões são diretamente afetados por esse hábito. Porém, o consumo de cigarros pode prejudicar ainda mais e afetar, inclusive, a saúde bucal.

O cigarro apresenta em torno de 4.700 substâncias tóxicas; entre elas, as que mais preocupam são a nicotina, que causa dependência química, o alcatrão, responsável pelo aparecimento de diversos tipos de câncer, e o monóxido de carbono, que provoca envelhecimento precoce.

Com o passar do tempo e a exposição prolongada, essas substâncias podem causar também mudanças na cavidade bucal capazes de levar a uma série de riscos mais graves como câncer, doença periodontal (infecção da gengiva e dos ossos ao redor dos dentes), mau hálito, perda do paladar e do olfato, manchas nos dentes, entre outros.

Devido a isso, o fumante deve realizar visitas ao dentista periodicamente, para acompanhar a saúde bucal, dos dentes, gengivas e, principalmente, da mucosa. De acordo com o dentista clínico geral, Ricardo Alves Magalhães, “os problemas vão desde alterações no hálito, até câncer que se manifesta sob a forma de feridas na boca ou no lábio de difícil cicatrização, caroços, inchaços, áreas de dormência, sangramentos sem causa conhecida, dor que não melhora e manchas esbranquiçadas ou avermelhadas”, explica.

Segundo ele, o risco de desenvolver algum desses problemas aumenta progressivamente quanto maior for o número de cigarros consumidos. Por isso, é fundamental visitar um cirurgião dentista sempre que notar alguma alteração.

Além disso, a nicotina existente no cigarro é uma substância capaz de causar dependência, o que torna difícil deixar o hábito de fumar. Por ser um grande desafio, a maioria das pessoas precisa de suporte, como solicitar a ajuda de um profissional.

A psicóloga da Medicina Preventiva da Unimed Rio Preto, Janieli Pereira, explica que a cooperativa médica oferece aos beneficiários o curso “Você pode parar de fumar”. “São nove aulas de caráter psicoeducativo, cujo objetivo é fornecer ferramentas que auxiliam na cessação do tabaco e na redução das consequências. Para participar, os interessados podem procurar a Unimed de forma espontânea ou ser encaminhado por algum profissional”.

O zootecnista Luciano de Castro conta que participou do curso após a inscrição realizada pela companheira. “Eu já conhecia o ‘Você pode parar de fumar’, mas não tinha iniciativa para começar, mesmo sabendo dos malefícios à boca e dos riscos à saúde. Hoje, faz exatamente oito meses que abandonei o cigarro e já sinto uma melhora significativa no paladar, além de disposição no dia a dia”, afirma.